Gantz ameaça demitir-se se Israel não adotar novo plano para a guerra

  • 18/05/2024

O seu anúncio, hoje, agrava a divisão no interior da liderança israelita, mais de sete meses após o início de uma guerra em que ainda não foram atingidos os objetivos declarados de desmantelamento do movimento islamita palestiniano Hamas e da libertação de mais de uma centena de reféns sequestrados no seu ataque de 07 de outubro a território israelita.

Gantz apresentou um plano de seis pontos que inclui o regresso a casa dos reféns, pôr fim ao domínio do Hamas na Faixa de Gaza, a desmilitarização daquele território palestiniano e a criação de uma administração internacional de assuntos civis. O plano defende também que sejam feitos esforços para normalizar as relações de Israel com a Arábia Saudita.

Se a sua proposta não for adotada até 08 de junho, diz que abandonará o executivo israelita.

Um político centrista e adversário político de longa data de Netanyahu, Benny Gantz juntou-se à sua coligação governamental e ao gabinete de guerra nos primeiros dias da ofensiva israelita à Faixa de Gaza.

A sua saída deixaria Netanyahu ainda mais dependente dos aliados de extrema-direita, que têm adotado uma linha dura nas negociações sobre o cessar-fogo e a libertação dos reféns e acreditam que Israel deve ocupar Gaza e reconstruir lá colonatos judaicos.

Israel declarou a 07 de outubro do ano passado uma guerra na Faixa de Gaza para "erradicar" o movimento islamita palestiniano Hamas depois de este, horas antes, ter realizado em território israelita um ataque de proporções sem precedentes, matando mais de 1.170 pessoas, na maioria civis.

O Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) -- desde 2007 no poder em Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel -- fez também 252 reféns, 124 dos quais permanecem em cativeiro e 37 morreram entretanto, segundo o mais recente balanço do Exército israelita.

A guerra, que hoje entrou no 225.º dia e continua a ameaçar alastrar a toda a região do Médio Oriente, fez até agora na Faixa de Gaza 35.386 mortos, mais de 79.000 feridos e cerca de 10.000 desaparecidos, presumivelmente soterrados nos escombros, na maioria civis, de acordo com números atualizados das autoridades locais.

O conflito causou também quase dois milhões de deslocados, mergulhando o enclave palestiniano sobrepovoado e pobre numa grave crise humanitária, com mais de 1,1 milhões de pessoas numa "situação de fome catastrófica" que está a fazer vítimas - "o número mais elevado alguma vez registado" pela ONU em estudos sobre segurança alimentar no mundo.

Leia Também: Exército israelita anuncia repatriamento de outro corpo recuperado em Gaza

FONTE: https://www.noticiasaominuto.com/mundo/2563698/membro-de-gabinete-de-guerra-de-israel-demite-se-se-nao-houver-plano-belico?utm_source=rss-mundo&utm_medium=rss&utm_campaign=rssfeed


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Top 10

top1
1. Deus Proverá

Gabriela Gomes

top2
2. Algo Novo

Kemuel, Lukas Agustinho

top3
3. Aquieta Minh'alma

Ministério Zoe

top4
4. A Casa É Sua

Casa Worship

top5
5. Ninguém explica Deus

Preto No Branco

top6
6. Deus de Promessas

Davi Sacer

top7
7. Caminho no Deserto

Soraya Moraes

top8
8.

Midian Lima

top9
9. Lugar Secreto

Gabriela Rocha

top10
10. A Vitória Chegou

Aurelina Dourado


Anunciantes